Dia 7 (segunda-feira): Se pureza significa morrer para os desejos da carne, obediência significa morrer para a própria vontade. (Francisco Xavier Nguyen Van Thuan, O Caminho da Esperança, edição Paulinas, pág. 86, nº 402)

Dia 8 (terça-feira): Quando Deus deseja imprimir numa alma o Seu selo, ela tem que seguir o caminho do desprendimento total, da perfeita doação, da Cruz. (Gabriela Bitterlich)

Dia 9 (quarta-feira): O impetuoso desejo de estar na paz eterna, na paz de Deus, é muito louvável e muito santo. Mas é preciso moderá-lo, contrabalançando-o com uma completa resignação aos desejos divinos. É melhor fazer a vontade de Deus na terra e cumprir os seus desígnios, do que gozar o Paraíso. “Sofrer e não morrer”, eram palavras, ou melhor, era o lema de Santa Teresa. É doce o purgatório (neste mundo), quando se sofre por amor a Deus… (S. Pio Pietrelcina; O Grande Amor de Deus – 365 dias com Padre Pio, edição Paulus, pág. 107, nº 5)

Dia 10 (quinta-feira): Aquele a quem pouco basta é um homem feliz, pois considera que já tem o suficiente. Quem precisa de muito é bastante infeliz, pois sente-se sempre privado de tudo. (Francisco Xavier Nguyen Van Thuan, O Caminho da Esperança, edição Paulinas, pág. 87, nº 409)

Dia 11 (sexta-feira): Ânimo! Tu… podes. Vês o que fez a graça de Deus com aquele Pedro dorminhoco, negador e cobarde…; com aquele Paulo perseguidor, odiento e pertinaz? (S.J.E., Caminho, Edições Prumo, pág. 208, nº 483)

Dia 12 (sábado): Se fizeres mal a uma pessoa de quem não gostas, conseguirás detestá-la cada vez mais; ao contrário, se lhe prestares um favor, começarás a amá-la. (Fulton Sheen)

Dia 13 (domingo): «Quem vos ouve é a mim que ouve, e quem vos rejeita é a mim que rejeita; mas quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou» (Lc 10,16). Mantém gravada no teu coração esta advertência, para toda a vida: respeita sempre as pessoas que representam a Igreja, os sacramentos, a doutrina da Igreja e a sua liturgia, e Deus abençoar-te-á. (Francisco Xavier Nguyen Van Thuan, O Caminho da Esperança, edição Paulinas, pág. 59, nº 266)